Futebol de Mesa em Pernambuco

CAMPEONATO PERNAMBUCANO INDIVIDUAL 2011

Ginásio Esportivo do Sport Recife

Com a presença da maioria dos Botonistas de Pernambuco que praticam a modalidade 12 Toques, foi realizada neste último domingo a 1ª Etapa do Campeonato Pernambucano Individual de Futebol de Mesa na modalidade 12 Toques.

Participaram:

AABB CaruaruEquipa da AABB Caruaru

Sport Recife

Equipe do SportLiga Jardim Brasil

Equipe da Liga Jardim BrasilAmérica

Equipe do Mequinha - 1ª Etapa

Depois de um dia de competição nas 3 categorias e com equilíbrio absoluto, o resultado final foi o seguinte:

CATEGORIA INFANTIL

Campẹo РIGOR РAABB Caruaru

Vice Campẹo РKLEISSON РLiga Jardim Brasil

3º Colocado – LUCAS – Sport Recife

4ª Colcado – MATHEUS – América

CATEGORIA ADULTO

Campẹo РDIDO РAABB Caruaru

Vice Campeão – LÉO – Sport Recife

3º Colocado -DIOGO – AABB Caruaru

4º Colocado -KILMER – Sport Recife

CATEGORIA MÁSTER

Campẹo РARMANDINHO РAm̩rica

Vice Campẹo РMARCELLUS РSport Recife

3º Colocado – ROGÉRIO HULK – Liga Jardim Brasil

4º Colocado – VANDRÉ – Liga Jardim Brasil

CAMPEONATO PERNAMBUCANO INDIVIDUAL 2011

BOTONISTAS DE PERNAMBUCO

BOTONISTAS DE PERNAMBUCO

Será iniciado neste domingo, na sede do Sport Recife a 1ª Etapa do campeonato Pernambucano Individual de Futebol de Mesa da modalidade 12 Toques.

Contando com 64 botonistas inscritos na Federação, os Clubes: AABB Caruaru, Liga Jardim Brasil, América (que estreia este ano) além do anfitrião Sport Recife, este início promete muito equilíbrio em todas as cotegorias, principalmente com os retorno dos botonistas adultos Flávio AFA e Rafael pelo América bem como os Másteres Humberto Securão pelo Sport e Alberico pelo América.

Vamos ver o que vai dar.

Boa sorte a todos

Armandinho

COPA PERNAMBUCO 2011 – COMEÇOU A TEMPORADA 12 TOQUES

Armandinho vice Campeão pelo América

Armandinho vice Campeão pelo América

A COPA PERNAMBUCO, tradicional competição que abre a temporada do Futebol de Mesa em Pernambuco foi realizada em Caruaru.

Contando com a participação de 32 botonistas e com todas as coategorias reunidas em uma única Competição a COPA PERNAMBUCO foi mais uma vez um sucesso.

Belíssima foi a participação do Botonista Alagoano Batistinha, que se filiou a AABB Caruaru e arrebatou o título vencendo de maneira brilhante o Máster Armandinho na final.

Armandinho e Batistinha (Campeão)Armandinho e Batistinha (Campeão)

A revelação do Torneio foi Djalma da Liga que conseguiu o 4º lugar e a surpresa foi Zig Zig com excelentes vitórias.

Mesmo sentindo a ausencia de excelentes jogadores do Sport e do novato América,  o Campeonato este ano promete muito equilíbrio em todas as categorias.

A primeira Etapa que vale pontos para o ranking de entradas de 2011, está prevista para Maio na sede do Sport.

Vamos aguardar a guerra.

Armandinho

HISTÓRIAS DO FUTEBOL DE MESA DE PERNAMBUCO

A Regra Pernambucana tanto é um verdadeiro celeiro de bons botonistas como também é um Baú de histórias e casos curiosos.

Neste final de ano pude relembrar de fatos que aos dias de hoje poderão ser tratados como folclóricos,.

Recebi uma mensagem de Natal de um velho e querido amigo botonistas que anda afastado das competições em Recife por estar morando no interior do Estado, Paulo Felindo é o nome deste amigo que além de ser excelente jogador de Botão, é advogado e grande colecionador.

A sua mensagem que segue me fez lembrar o final da década de 60, naquele tempo não existia esta infinidade de opções que temos hoje para confeccionarmos nossos botões, quem é da época lembra que em Recife se costumava fazer botões de Chifre de boi, de baquelite, (que derretíamos colocando em forma para depois fazermos os botões na mão), de vidro de avião (chamado de Mica) de quenga de coco etc.

Entretanto existia uma turma que conseguiu um material importado da Itália que servia de base ou encosto de estátuas de Santos que vinham para as igrejas cotólicas, esse material que era muito raro e apenas os jogadores que jogavam nas Ligas da Boa Vista e Liga de São Jose, que são dois bairros do centro do Recife, tinham botões dessa matéria.

Meu pai, o Sr. armando, era quem fabricava os botões desta turma e foi por isso que comecei a jogar a Regra Pernambucana e adquiri alguns destes raros botões, acredito que exista em Pernambuco menos de 100 peças.

Os grandes jogadores da época,  Mário Sandes, Gilvan Carvalho, Aldiro Santos, Fernando Torterolli (já falecidos), Severino Vieira (Seu Biu), Cloves, Humberto Simas, Cláudio Sandes, Chico Barbosa, Dr. Renê e o até hoje atuante Abiud Gomes e eu também tinhamos botões deste material importado.

Paulo Felinto, que como falei é um colecionador, assim que chegou na Liga da Boa Vista onde jogávam todos os citados acima, se apresentou para jogar com botões de chifre de boi, muito bem feitos pelo Sr, Nozinho que era um fabricante, já falecido, que residia na cidade de Paulista.

Quem jogou botão da época lembra que todos falavam do “TORNO PAULISTA” quando se referia aos botões do seu Nozinho.

Só que Paulo começou a mudar seus botões adquirindo com trocas e compras os famosos e raros botões de “MATÉRIA” como eram chamados os da matéria Italiana.

Apenas como adendo e obeservação, na Regra Pernambucana se valoriza muito os botões individualmente, eles são registrados e tem nomes personalizados sendo muito comum a troca e venda individual de botões, ou seja por exemplo, meu centro avante “Fischer” poderá ser comprado por Abiud que terá que manter o nome já registrado na APFM (Associação Pernambucana de Futebol de Mesa) e jogar no time dele como zagueiro.

Os botões são diferentes (vejam foto a seguir do meu time todo de matéria importada e que tem mais de 30 anos)

TIME DO MATÉRIA IMPORTADA

TIME DO MATÉRIA IMPORTADA

Paulo Felinto começou sua incansável luta para fazer seu time desta matéria e conseguiu seu intento, sendo hoje talvez entre os que ainda jogam essa Regra Pernambucana o que mais tenha esses tipos de botão.

Acontece que no time acima existem alguns botões lendários que meu amigo ainda insiste e teima em adquirir e para isso me mandou a seguinte mensagem de Natal, vejam abaixo:

Mensagem Natal Paulo Felinto Dez. 2010

Mensagem Natal Paulo Felinto Dez. 2010

Decifrando apenas a proposta de compra dos Botões do Time de Armandinho;

“Quanto custa o passe de:

1º)Morcêgo

2º) Givanildo

3º) Carlos Alberto (Zé Roberto)

4º) Belga

5º) Doval

E demais botões “descartáveis” do seu time?

Obs: Não ria não que é sério!!!

Aquele abraço

Paulo Felinto”

É claro que Paulo, como grande amigo que é, me mandou uma linda mensagem de Natal o que faz todos os anos, apenas aproveitou e voltou a fazer mais uma tentativa de adquirir meus estimados botões.

Saliento que a maioria dos botões que hoje fazem parte do elenco e coleção dele me pertenceram, sendo que o fato mais curioso aconteceu em 1971.

Num domingo, após termos passado a manhã jogando na Liga da Boa Vista, me deu uma carona e passou todo o percurso fazendo a proposta para adquirir o meu lateral esquerdo “Valtencir” e terminou conseguindo em uma troca inusitada, pegou meu botão numa troca por um relógio “Mirvaine” caríssimo na epoca, que depois meu pai foi falar com ele para saber se era verdade, pois dificilmente eu poderia ter um relógio daquele na época, só que o relógio eu nem sei que fim levou e o botão ainda faz parte do esquadrão dele, o que dá para induzir que eu até hoje me arrependo.

Essa é apenas uma das muitas histórias do nosso Jogo de Botão em Recife.

Então para não me fazer de rogado, respondi a ele a carta também escrita a mão, porém que segue digitada;

Recife, 27 de Dezembro de 2010.

Amigo Paulo

Realmente fiquei emocionado com a sua carta, lembrei-me de como era bom a gente receber uma carta pelo correio, hoje com o meio de comunicação virtual não dá para notar a vibração e até o nervosismo nas palavras escritas à punho.

Resolvi responder do mesmo modo, mesmo fazendo questão de divulgar no meu SITE visto que coisas deste tipo tem que ser propagada.

Não estou mais jogando (por enquanto) a nossa querida Regra da bola de borracha, tão aproveitada  que aprendemos e nunca esquecemos dos termos “engarriu, ramprou etc.”.

Não estar jogando não quer dizer que farei como “Seu Biu” que endoidou e vendeu seus craques e soube que adquiriu alguns, então estão em boas mãos, ainda conseguir ficar com Pé de Valsa e Sarará.

Ainda farei a “ARENA ARMANDINHO” onde poderemos jogar nossas partidinhas e poder novamente você cruzar os dedos com “dedada”, por baixo da mesa quando eu for chutar com Morcego e lamentar levar gol dos meus antigos craques como o matador Lampião, ou mesmo Cruz Diablo, e até Elcir (Valtencir), trocado, depois de muita conversa dentro do fusquinha, por um relógio Mirvaine que não sei nem por onde anda, era melhor ter ficado como o botão.

Apenas para matar saudade segue a foto do esquadrão, esperando um dia sentarmos para ouvir de você a famosa frase:

VENDE-SE, TROCA-SE, NEGOCIA-SE.

TIME DE ARMANDINHO

TIME DE ARMANDINHO

Abraços e um Feliz 2011 com muita saúde.

Armandinho


COPA DO MUNDO DE FUTEBOL DE MESA – PERNAMBUCO

Éder - Campeão da COPA DO MUNDO

Éder - Campeão da COPA DO MUNDO

A COPA DO MUNDO de Futebol de Mesa, modalidade 12 Toques, patrocinada pela Federação Pernambucana realizada em Caruaru foi bastante disputada e contou com a presença dos principais botonistas de Pernambuco de todas as categorias.

Éder Sérgio, representando a Espanha foi o grande vencedor ao derrotar a Holanda do campeoníssio Pena na Final.

A grande revelação foi Matheus, atual lider da categoria Infantil, que desbancou vários “cobras” e obteve a quarta colocação.

Segue a classificação dos finalistas:

CAMPEÃO – ESPANHA – Eder Sérgio

VICE CAMPEÃO – HOLANDA – Moisés Pena

3º COLOCADO – INGLATERRA -Marcos

4º COLOCADO – MÉXICO – Matheus

5º COLOCADO – BRASIL – Diogo

6º COLOCADO – URUGUAI – Rogério

7º COLOCADO – ITÁLIA – Dido

8º – COLOCADO – GANA – Nando

Maria Antônia entrega a taça ao Campeão

Maria Antônia entrega a COPA ao Campeão

Armandinho e Pena

Armandinho e Pena

Armandinho e Marcos da Liga Jardim Brasil

Armandinho e Marcos da Liga Jardim Brasil

Armandinho e Matheus - Espanha - 4º Colocado

Armandinho e Matheus - Espanha - 4º Colocado

A história do Futebol de Mesa em Pernambuco

Contam os velhos jogadores de botão de Recife que desde a década de 40 que já se praticava este esporte, o que relato abaixo é a visão de como acompanhei a evolução do Jogo de Botão e sua transformação em Futebol de Mesa em Pernambuco.

Meu pai um torneiro mecânico de ofício, afirma ter começado seu contato com o botonismo apenas por ser um profissional que gostava de trabalhar artesanalmente, até por que nunca jogou botão quando criança, mas começou a tornear os botões que eram levados pelos jogadores da época para ele “ajeitar”.

Esses botões eram de comprados em locais específicos como a Casa de Detenção, o Presídio de Itamaracá como também no “Torno Paulista” que era de um artesão chamado “Seu Nôzinho” da cidade de Paulista que trabalhava com um torno manual de madeira. Em todos estes lugares a matéria prima era o chifre de boi que era queimado e posteriormente prensado transformando-se em placas e daí em botões.

Haviam também alguns jogadores que fabricavam seus próprios botões usando como matéria prima o plástico (galalite) de brinquedos quebrados, às vezes de propósito, que eram derretidos e derramados em forma metálica (existia uma concha que vinha dentro da lata de leite ninho que era muito usada) e também utilizavam a quenga de coco e o vidro de avião chamado de mica.

Meu pai naquele tempo trabalhava como profissional civil na aeronáutica conseguia muita mica e começou também a fabricar, além de tornear os botões que lhe eram levados.

Existiam também na época uns botões feitos de matéria plástica importada, esta matéria vinha como base ou suporte de imagens ou estátuas de santos católicos, os botonistas compravam os “santos” só para aproveitar estas bases.

Haviam também os botões que já viam prontos retirados de capas ou capotes Argentinos, eram botões grandes de dois ou quatro furos e os botões de capas de relógio, tudo isso era usado naquele tempo para praticar este esporte que vemos hoje tão diversificado e profissional.

Naquela época, devido à falta de integração e informação o jogo de botão existia, e era disputado em quase todos os lugares do Estado, porém de maneiras diferentes e com Regras as mais diversificadas possíveis, chegava a se ter uma regra em cada esquina ou em cada casa, se você dizia que jogava botão ao conhecer outro botonista notava que embora o objetivo e a finalidade do jogo fosse às mesmas, as regras e regulamentos nunca eram iguais, começava pela bolinha, em vários lugares se usava a “vassourinha de botão” que era uma flor vegetal em forma de bolinha que se encontrava facilmente em qualquer matagal, outros grupos fazia a bolinha de farinha que frequentemente ou “sabidamente” era molhada para que não rolasse muito.

Aqueles mais sofisticados faziam suas bolinhas de cordão e até de borracha, usada até hoje na APFM- Associação Pernambucana de Futebol de Mesa que ajudei a fundar e fui o primeiro presidente.

O goleiro era o mais comum, normalmente em todos os lugares se usava a caixa de fósforo que se enchia de areia, prego e posteriormente de chumbo derretido para ficar bem pesado.

Em Pernambuco a Regra originalmente tinha um modelo básico comum, era adotado o leva-leva, ou seja, o jogador ia controlando a bolinha até perder, geralmente com um botão só que levava até a área do adversário e chutava a gol.

Esta Regra foi adotada no Estado durante muito tempo e só na década de 60, com a chegada de um grande radialista chamado Ivan Lima, oriundo da Bahia, foi que se começou a adotar em alguns lugares a Regra de Um Toque posteriormente oficializada como uma das três Regras Oficiais Brasileiras hoje existentes.

Ivan Lima foi muito importante para o jogo de botão no Estado, pois como Jornalista ajudou a colocar o esporte na mídia e com participação de outros jogadores da época conseguiu dar início a criação da FPFM que oficializou assim como todo o País as modalidades, Regra de 1 Toque, Regra de 3 Toques e Regra de 12 Toques.

Na verdade estas eram as regras basicamente mais praticadas nos Estados da Bahia, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Paraíba (1 Toque), Amazonas, Brasília, Paraná, Rio de Janeiro (3 Toques) e São Paulo (12 Toques).

Curiosamente Pernambuco era um dos Estados que praticava as três modalidades sendo que o “leva-leva” era o 12 toques estilizado e mais uma 4ª regra que até hoje é praticada pelos velhos botonistas do Estado que é a Regra Pernambucana, esta tem muitos detalhes e coisas em comum com a Regra 12 Toques

No final de década de 80, como apaixonado pelo jogo de botão e tendo acompanhado a evolução do esporte, desde a época em meu pai e torneava os craques do time do Galícia, da cantada em prosa Regra Brasileira de Ivan Lima, fiquei entusiasmado ao ver a fundação da Federação Pernambucana de Futebol de Mesa,

Com a criação da FPFM e a fundação da CBFM – Confederação Brasileira de Futebol de Mesa me integrei á entidade onde estou até hoje assumindo o compromisso de lutar pela adesão cada dia maior de botonistas na prática das regras oficiais brasileiras.

Para mim a chegada da FPFM não só  transformou o lazer infantil “jogo de Botão” em Futebol de Mesa, sendo hoje o esporte amador que mais cresce no País, como também foi através dele que tive a oportunidade fazer e manter amigos em todo Brasil.

Espero e tenho o sonho de ter em Pernambuco um grande centro do botonismo, já vejo em meus pensamentos uma grande sede, agregando  jogadores de todos os tipos e com centro de formação e ensinamento de todas as Regras Oficiais e realizando todos os eventos do Futebol de Mesa em um só lugar.

É esperar para ver.

Armandinho